16 de jan de 2012

Querido anjo,

Eu fico me perguntando às vezes, a quantidade de possibilidades que haviam de as coisas terem sido diferentes, de não terem chegado ao ponto que chegaram hoje, porque, afinal, 6 meses é muita coisa não é mesmo? São cerca de 180 dias, 4320 horas dedicadas o meu pensamento a você. Eu devo ser um 'bestão' mesmo, mas eu não aguento, com essa tua doçura toda, é inevitável garota! E apesar de tudo, de todos esses problemas que enfrentamos até hoje, eu não acredito que poderia ter sido de uma forma diferente, talvez se tivesse sido, não seriamos o que somos hoje. 
Eu tenho muito a reclamar, é verdade. Eu não aguento mais, não entendo como pode caber tanta ruindade dentro de uma pessoinha dessas de 1,60m! Você é uma chata, insistente, velha, doente arengueira e que faz de tudo pra me incriminar, e quer saber? Por mais que eu diga que não, isso me encanta. É incrível poder passar as minhas madrugadas ouvindo tua vozinha de sono do outro lado do telefone fazendo planos pra o incerto comigo. E eu já planejando até quem vai pegar e quem vai deixar os NOSSOS filhos na escola. Eu fico olhando tuas fotos, e penso : Cara, eu tenho muita sorte! Você é linda, minha Nana. Ainda que recém acordada com a cara toda inchada e o cabelo de leão sentada no sofá. 
Fico a  imaginar como vai ser incrível a minha vida, acordando todos os dias com você ao meu lado, sim,  porque só pode ser você. A insuportável que faz meu coração acelerar, minhas pernas e mãos tremerem, passar noites em claro pensando em um sorriso ou em como e onde será nosso próximo encontro, como vai ser sua reação, você é uma caixinha de surpresas Nana, quando eu espero uma reação tua, você me vem com outra completamente diferente, na maioria das vezes, reações broxantes e propositais pra me irritar, eu sei, mas isso costuma me deixar intrigado, sempre com uma interrogação no final, porque você é imprevisível... Como daquela vez que nós brigamos e eu quase te perdi. Meus olhos já estavam cheios de lágrimas quando eu te puxei e falei: "eu preciso de uma solução pra esse problema, me dá mais uma chance?" E você ficou lá me encarando, olhando pra mim com aquele seu sorrisinho de "sou foda" e eu achei que você ia mais uma vez virar as suas costas e sair andando como quem não tá nem um pouco preocupada... e seria o fim de tudo. Mas foi ao contrário, você me abraçou, bem apertado e disse: Eu te dou uma segunda chance. 
Você é diferente, não sei porque, mas eu sinto que é! Todos os "eu te amo" que eu já ouvi eram diferentes do seu. Eles não me faziam ficar assim, meio que anestesiado. Não estou dizendo que você é anormal (embora você seja), que nunca vai me decepcionar, porque eu sei que você vai, assim como eu já lhe decepcionei mas com você é diferente. E não me venha mais uma vez com um : "Você deve dizer isso pra todas que já passaram na sua vida." Porque pra quem mais eu pararia ao meio dia pra escrever um poema? 
"De repente tudo muda como se fosse mágica. Uma pessoa que nada significava vira tudo pra você. De repente você se pega pensando nela o tempo todo, o vê em seus sonhos e em todo o canto. De repente você percebe que está acompanhando cada gesto dela, que ouve qualquer palavra que diz, e sorri cada vez que ela te olha. De repente ela vira a mais bela das criaturas, seu olhar o mais intenso, seu sorriso o mais bonito, sua voz a mais suave, tudo é perfeito. De repente você sente uma vontade imensa de tê-lo ao seu lado, em todos os segundos e gastá-los com… Conversas, risos, beijos, abraços, lagrimas e confissões. De repente você quer deitar em seu colo e enquanto ela te faz um cafuné imaginar o quanto seria bom envelhecer ao seu lado vendo os filhos crescerem e sentir a vida passando. De repente você pergunta o porque disso estar acontecendo e de repente você percebe que o amor te dominou completamente." 
Eu amo você. Eu amo o jeito que você fica quando se concentra em alguma coisa, quando você se confunde ou então quando não sabe mais o que está fazendo. Eu amo quando você acerta e dá um sorrisinho de lado, do melhor tipo 'sou foda' e isso é só pra me irritar. E quando você me abraça? Todos deveriam parar pra ver e sentir quão mágico é quando você me abraça. Você com ciúmes é a coisa mais linda do mundo!
Eu tenho que lhe agradecer por você sempre animar meus dias com as melhore mensagens, por me fazer dormir melhor depois de falar contigo ao telefone, mesmo que na maioria das vezes você cante, faça barulhos estranhos do que fale mesmo... Gostaria de agradecer também pela ótima companhia que voce me fez quando fomos ao teatro, nunca achei que olhar para uma pessoa por varios minutos me deixaria tão agoniado, sem ação, não só porque voce é linda, mas eu já te falei..." é como se fosse pra eu ter a certeza de que você estava ali." 
Nem sei mais o que falar, você já sabe tudo né? Que eu te amo muito, que você é o amor da minha vida, é a idiota que eu daria meu figado, a primeira pessoa que eu penso ao acordar e a ultima que eu penso antes de dormir. É também quem eu consigo pensar por 25 horas por dia. Você é a única que consegue dominar totalmente os meus pensamentos, me faz sentir uma coisa boa só de pensar em você. É a que mexe muito comigo.Ninguém consegue me irritar tanto como você consegue, ninguém me deixa tao broxado ao ouvir um " eu sei " depois de um " eu te amo" quanto você. Ninguém me faz feliz como você faz. E o mais incrível disso tudo que você faz tudo isso sendo você mesma, e faz com que eu te ame cada vez mais. 

Obrigada pelos últimos meses incríveis,
eu te amo.

"Eu não entendo, apenas sinto. Tenho medo de um dia entender, e deixar de sentir." CFA
11 de jan de 2012

Criatividade e tempo livre

Bom, já tá na hora de falar alguma coisa boa por aqui não é mesmo?
Férias pra mim é quase sinônimo de tédio, e como eu não consigo parar quieta pelo menos mentalmente, mudei mais uma vez a decoração do meu quarto, vou postar pra vocês as fotos do antes e do depois. :D

Antes 

Antes

Antes

Agora /Depois

Agora

Agora

Então, eu realmente gostaria de ter mudado a cor das paredes e algumas outras coisas, mas meu pai não ajudou, disse que a pintura ainda estava impecável e que não ia comprar tinta nova muito menos pintar meu quarto, então tive que me virar com o que eu tinha né?
O único gasto que eu tive foi com a revelação das fotos que saiu cerca de uns R$ 80,00 (eu revelei mais do que precisava) e, no geral, fiquei muito satisfeita com o resultado.
Claro que a idéia da photo Wall não veio assim do nada, eu me inspirei na @melinwonderland , a dona do  "A series of serendipity ". A Mel é mesmo uma fofa, super meiga e cheia de dicas fofas no blog tem me inspirado muito a fazer coisinhas criativas nas férias e claro, me feito viajar muito nas fotos cada uma mais linda que a outra que ela posta tanto no blog quanto no Flickr.
Além do blog da Mel, eu também andei olhando várias postagens no We♥it que me deixaram louca querendo ter um quarto tão lindo quanto os vários que aparecem por lá.
Espero que vocês tenham gostado e que lhe inspirem a fazer coisinhas novas por aí :)
Dois beijos!
7 de jan de 2012

Desneurando


Essa coisa toda tá me matando. Isso é um fato, e eu sabia que ia ser assim. Mas quando a noite chega e eu fecho os olhos, tudo o que eu quero é poder ter o poder de não pensar. Poder e conseguir não colocar o "E SE" que tanto acaba comigo no início das frases.Seria bem mais fácil. 
Andei percebendo que eu tenho deixado de fazer muita coisa que eu costumava fazer evitando um só problema: Pensar. É que o silêncio me incomoda, a incerteza, a loucura de ouvir a opinião dos mais próximos e ela divergir da minha e aí eu vou me matando aos poucos, por dentro, por fora... 
Vou me atirando em meio a um campo minado onde embora eu tente passar por ele o mais rápido possível, não tem jeito, as bombas sempre explodem, sempre acabam me atingindo. Sempre acabam me enlouquecendo e me enchendo de medo. É aí que eu me vejo como uma criança de 5 anos na janela do carro perguntado: "Ei mamãe, o que é isso?" e a mãe responde as coisas mais absurdas. 
Eu odeio não ter um plano, não saber ao certo o que fazer, que decisão tomar ou que caminho trilhar. Eu fico confusa, eu me assusto, eu quero fugir de tudo e de todos. Talvez porque eu sempre fui bem decidida. Sempre soube exatamente o que queria e o que deveria fazer pra alcançar tudo aquilo, sempre planejei minha vida, mas agora que ela está sendo diferente do meu planejamento, eu já não sei mais como recriar este roteiro.
Costumava dizer que eu me inventei de acordo com o que eu gostaria de ser. Que eu represento o papel que eu mesma escrevi e que eu sou um personagem de mim mesma, a protagonista da história. Mas eu também sou a escritora dela. Eu quem devo decidir muita coisa, o resto, a minha 'amiga' vida ensina. Só que agora, eu não faço a menor ideia do que eu quero pra as próximas páginas, talvez uma decisão mude tudo, ou não.
No meio da história, há sempre os coadjuvantes, os outros personagens diretamente ligado a personagem principal da história. E no momento, esses que estão acionando as bombas por onde eu passo. Eles vem e me enchem do que deveriam ser conselhos mas na verdade acabam sendo uma espécie de semente pra as minhas confusões mentais. 
Ah como às vezes eu queria ser só mais uma telespectadora sentada numa poltrona confortável com um balde de pipoca na mão, é tão mais fácil que subir no palco e fazer as coisas acontecerem...! Eu já não sei o que fazer. Nem que figurino eu devo usar, não sei direito se aquilo que eu planejei a vida inteira ainda é o meu plano pra o presente, ou pra o futuro próximo, se as próximas cenas vão sair como o planejado. Não quero continuar cruzando essa campo minado, mas não sei ao certo se devo escutar aos meus coadjuvantes, conselheiros fiéis e companheiros de uma vida ou seguir me coração... Talvez se eu deixasse as coisas simplesmente acontecerem fosse uma boa escolha... 
Tem algum problema se eu sair correndo louca e gritando por aí? É uma das coisas que eu mais quero agora... ou pelo menos, achar um pensamento que vá de encontro ao meu que na verdade, eu nem sei qual é. 
Eu tô assustada, eu tô confusa. Minha mãe que era minha melhor amiga tem me enlouquecido nos últimos dias... As coisas eram tão mais fáceis! Quando eu menos esperava havia um envelope em cima da minha mesa com tudo o que ela afinal queria me dizer e agora eu tenho que entender as entrelinhas. Ela tá acabando com o meu frágil estado emocional. Talvez isso venha de encontro com a decepção, eu realmente não sou a filha que ela sonhou,a primeira da classe, ou a robozinho que nem ela que passou a adolescência trancada em um quarto estudando noite e dia. Mas eu também sei o que eu quero e até onde eu vou pra alcançar tudo isso, custava me dar um pouco de apoio ou no mínimo falar logo na cara que tudo o que eu faço está errado e que eu me tornei o que ela temia e que ela quer tanto que eu acabe meu namoro porque ela tem medo que ao invés de um reflexo dela, eu seja um reflexo da minha tia? Custava me dizer porque afinal tanta cisma com o meu namoro, porque tantas diretas que eu deveria acabar? Eu também agradeceria do fundo do meu coração se ela parasse de reclamar o quão relaxada eu fui durante o ensino médio, caramba. PODERIA TER SIDO PIOR, JÁ PENSOU NISSO? 
Esse clima pesado tá me angustiando, e as bombas explodem cada vez mais e me ferem, aah como ferem! Mas eu sou uma menininha forte não é mesmo? Eu tenho aprendido uma maquiagem incrível pra disfarçar todas essas feridas. Você nem percebeu né mãe?
Eu só preciso de um pouco de colo, de ouvido, de apoio... das pessoas certas, das palavras certas... preciso de um pouco de silêncio mental... Tá sendo difícil pra mim também! Pensa que é fácil ouvir o tempo todo: "faça isso, faça aquilo" e nem sempre ter a certeza de que tudo isso vai mesmo garantir a minha felicidade? Eu tô com medo! Medo de ficar só! Medo de não fazer as escolhas certas e não ser a pessoa feliz e realizada que eu sempre almejei ser! 
As soluções mais absurdas pra esses problemas todos rondam pela minha cabeça e olha só aonde eu estou: Mais uma vez desfrutando das minhas cólicas mentais sentada em frente ao computador. E quem dera tudo isso fosse só neura. Tá mais pra tempestade, bomba atômica, guerra, sei lá o que é. Só sei que eu preciso de uma solução,  meu teclado não vai resistir a tanta água por muito tempo.

4 de jan de 2012

Pensamentos aleatórios

Quando esse blog começou láá atras, inicialmente era aquela coisa boba de pré adolescente apaixonada, e depois, se tornou meio que uma necessidade de escrever. Colocar no papel era a forma que eu tinha de organizar meus pensamentos, conseguir enxergar melhor a situação e falar, pra mim mesma, como eu deveria lidar com o que eu estava vivendo. Era natural, automático, e perdi as contas de quantas vezes ao invés das matérias da escola o meu caderno esteve preenchido por meus pensamentos estranhos e aleatórios que no começo até tinham algum tipo de sentido e no final eu já nem sabia mais sobre o que eu estava falando. 
A parte boa de tudo isso, é que, ao longo do tempo eu fui criando uma facilidade enorme pra as redações escolares, pra deixar fluir os pensamentos, e organizá-los melhor. Mas no meio do percurso (digo, desde que comecei o blog) muita coisa mudou. Eu cresci, amadureci, eu mudei meu modo e ver muita coisa,vivi muita coisa e grande parte delas dividi com vocês aqui no blog. Algumas, são simplesmente coisas que eu gostaria de ter vivido, coisas que se passavam pela minha cabeça o quanto seriam felizes se realmente acontecessem, e parece que tudo era um motivo pra um novo conto, uma nova história. 
Aí veio uma parte complicada da vida : o fim do ensino médio, e em consequência disso, e da "falta de tempo" veio o pior de tudo: Parei de escrever. Isso provavelmente foi o que mais me castigou no ano de 2011. Eu me divertia imaginando qual seria a próxima postagem, desabafava, fazia planos pra começar a ter por aqui novos projetos, e sempre na companhia da Ada Lílian que me animava com nossos projetos pra essa blogsfera. 
Vieram as responsabilidades, a correria de ter avaliação toda semana, ter o dia inteiro de aula, e quando eu pensava em descansar, eu lembrava que tinha muita matéria acumulada e não tinha jeito, eu tinha que voltar pra a escrivaninha e enfiar a cara nos livros. Não obtive o resultado esperado, é bem verdade. Não passei no vestibular. E isso já era bem esperado, eu nunca fui a primeira da classe, estava longe disso e resolver estudar um ano pra prestar vestibular pra um curso super concorrido é beem complicado. 
Durante esse tempo em que estive "brigada" com as palavras, essa coisa toda de incerteza e do futuro, e do que afinal eu estava fazendo me torturou o ano inteiro. 2011 f
oi o ano que mais me esbofeteou, me fez sangrar e no fim, me estendeu a mão, olhou nos meus olhos e disse em tom grosso "LEVANTA QUE VOCÊ AGUENTA MAIS!".
E ele estava certo. Apesar de todas as quedas, eu acordei todos os dias com a cede de obter novas conquistas, e de vencer todos os obstáculos que foram me impostos , e isso eu devo a todos os meus amigos que estiveram o tempo inteiro do meu lado, me dando puxão de orelhas e dizendo: Não desista, você consegue! 
Foi o ano que eu menos dancei, o que eu menos saí, menos viajei, mas também o que eu menos chorei e o que eu mais sorri. E é com essa pouca experiência que eu posso dizer que o maior aprendizado com isso tudo foi a ser forte.

Eu também fiz planos, e muitos deles incluíam o blog, no entanto, o tempo foi passando e a facilidade de escrever, de organizar os pensamentos foi diminuindo absurdamente. Tudo foi ficando cada vez mais complicado até mesmo eu pegar um pedaço de papel e escrever um conto de amor que fosse ou quem sabe, escrever uma crise mental dessas qualquer que eu estava acostumada. Mesmo que esse ano tenha representado tantas novas experiências, tenha representado o sentir do amor. 
E agora eu escrevo isto aqui completamente confusa, sem ter nenhuma noção de onde isso vai parar, sabendo que está completamente desorganizado, que eu provavelmente não vou ter coragem de ler pra concertar alguma coisa. Calma, ainda tem a má notícia, apesar de todos os planos, de tudo o que planejei pra esse ano no blog, acho que não vai ser agora que eu vou conseguir colocar tudo em prática. Pois é, mais um ano que vai me matar por dentro, por fora... que eu vou correr atras do meu sonho, e me desejem sorte!
É isso, cansei :P Feliz 2012, muitos sorrisos pra vocês :D


OBS: Usei nessa postagem trechos de um texto da Renata do mulher vitrola, miiil perdões por não ter colocado os créditos antes, acabei esquecendo :// 
31 de ago de 2011

A devoradora de livros


Ela deve ter estacionado nos anos 70 ou 80. Vestia jeans boca-de-sino uma camiseta surrada vermelha escrito 80's, all star vermelho pra combinar com a blusa. Parecia inteligente. Durante às aulas sempre fazia perguntas interessantes. O caderno era cheio de desenhos, passava os  intervalos isolada no cantinho da sala, cada semana com um livrodiferente. O da vez era "A maldição dos titans".
Tinha a estranha mania de apoiar o lápis atrás da orelha , às vezes esquecia a passava horas procurando-o o que honestamente, me divertia. Sentava-se de forma relaxada, sem se importar com a postura, como quem procura conforto numa cadeira de sala de aula. Pra mim, ela era a estranha novata, e eu, a veterana isolada escrevendo em uma folha de rascunho.

Já faz algum tempo que eu não escrevo. Não tenho tido vontade de escrever. Nada. Pra ninguém. Nem mesmo pra externar meus pensamentos, ou para tentar entender o que eu tenho pensado. 


Meu relacionamento com as palavras está em crise, já sentiu a falta de ter o prazer de fazer uma coisa que você sempre amou ?
Escrever sempre foi parte de mim, escrever crises mentais, pensamentos, criar histórias. Mas agora já não é como antes.


 Tem sido cada vez mais dificil passar pro papel aquelas palavras soltas que eu sempre tive tanta facilidade. E eu nem posso usar a desculpa de que eu não escrevo porque se tornou obrigação. Eu estaria mentido. 
Tô preferindo acreditar que todo  relacionamento tem altos e baixo. E eu estou de mãos vazias, sem nenhum plano, sem nenhuma carta na manga. Sem palavras literalmente.


 Minha mente tem sofrido um certo bloqueio quando o assunto é esse, talvez porque eu tenha me acostumado em apenas reblogar no tumblr, ou porque eu sou uma baita preguiçosa . Mas eu tenho me forçado embora não saia nada que preste , ainda encontro folhas soltas escritas pela metade no meu caderno. 
Saudades da blogsfera :)
10 de jul de 2011

Falhando direito

Eu e essa minha mania de deixar sempre pra depois.
Já estamos na metade do ano, o ano que seria o fim para um novo começo, que eu definitivamente não deveria estar grudada no computador e sim, estudando feito uma maluca, mas meu lema tem sido: ah, amanhã eu estudo, amanhã eu começo minha dieta, amanhã eu sou feliz, amanhã eu começo minha faxina interior, amanhã eu ... A questão é: Por que não hoje ?
Dalai Lama já dizia : ''Só existem dois dias do ano que nada pode ser feito. Um se chama hoje e o outro amanhã, por tanto hoje é o dia certo pra amar, acreditar, fazer e principalmente : Viver."  frases como essa estão escritas em post-its em frente a minha escrivaninha pra me darem motivação de a cada dia acreditar que a mudança pode ser feita hoje, e porque não ? Só que hoje mesmo eu já fiz isso. Começo minha dieta amanhã que é segunda-feira! E começo uma rotina pesada de estudos (pelo menos pretendo né) .
Ei, o tempo tá passando depressa, escorrendo por entre meus dedos e quando eu menos esperar já vamos estar aqui novamente contando sobre como foi nosso natal, ou ano novo. E eu, como foi não ser aprovada no vestibular. Não é persimismo, é algo bem provável quando alguém é tão indisciplinada como eu. Sinceramente, confesso que se eu passar eu vou ficar muito surpresa, eu sei que não me dedico a isso o suficiente, sei que tem muuita gente que se esforça bem mais que eu a muito mais tempo, mas esse ano tá tudo mudando muito, e muito rápido. Não sei se as responsábilidades cresceram, se é só impressão minha mas daqui a pouco chega 2012 e eu nem sei direito o que que eu fiz ontem. Falando nisso, eu nem lembro se eu lavei o cabelo quando eu tomei banho agora a pouco, isso me deixa louca.
Minha cabeça, minha vida anda uma verdadeira bagunça. Às vezes eu paro pra pensar e fico pensando : Afinal, no que eu deveria pensar? É que vem tanta coisa na minha cabeça que eu nem sei no que é que eu tô pensando. E ai vem aquela certeza de impotência, de falha.
Esse ano eu realmente estou estudando como eu nunca estudei antes, mas mesmo assim, minhas notas são péssimas, eu tenho aula o dia inteiro duas vezes por semana, academia todos os dias, aula à tarde prova aos sábados.Eu já sabia que minha vida ia ficar uma loucura esse ano, mas eu vejo gente conseguindo lhe dar perfeitamente com isso enquanto eu tô pirando! Certo que é praticamente impossível chegar ao fim de um ano de pré de vestibular sem ter surtado pelo menos uma vez. O problema é que  mesmo que eu não esteja fazendo nada importante a frase : "Eu não tenho tempo pra nada." Insiste em sair pelos meus lábios. E isso é tão absurdo, porque se eu soubesse e quisesse me organizar eu teria tempo de sobra. Mas eu odeio rotina.
Eu queria ter tempo e coragem principalmente pra me dedicar a redação que esse ano estou com sérias dificuldades inclusive, é por esse meu probleminha em escrever que este ano eu não tô postando muito. (Falhando de novo)
Bom, tenho idéias pra o blog mas eu sempre deixo pra amanhã (fail) e...agora eu só queria mudar quando eu finalmente aprender a fazer um bom template. Eu adoro esse, acho super minha cara mas já enjoei. Então é isso meus amores. Pretendo em breve fazer um post que não seja me lamentando por alguma coisa. (: Obrigada de coração pelos comentários nos ultimos posts, amanhã eu retribuo.
23 de jun de 2011

A minha maneira

E eis a minha versão da história.
Eu nem sei exatamente por onde começar, ou o que afinal eu quero dizer. 
Sinceramente, querido amigo, eu sabia que aquilo não ia durar muito. Desde o início a minha capa protetora me falava pra parar de acreditar naquilo tudo. Era muito perfeito, muito estilo conto de fadas pra ser  verdade.
A verdade é que eu fiz uma besteira enorme deixando você se aproximar de mim. Não que tenha sido ruim, mas porque eu sabia que era tudo uma perda de tempo. Admita, eu sou bem mais que você merece, bem mais do que você aguentaria e não me venha com desculpas sobre mudanças ou sobre distância. Isso é tudo balela, quem quer consegue. E além do mais, 200 kms nem é tão longe assim. Desde o início você devia ter se convencido de que talvez não fosse tão bom negócio perder seu tempo comigo, sim, porque eu sou fiél a mim mesma, aos meus sentimentos. Eu vou te ligar quando precisa de você, quando quiser ouvir tua voz do outro lado do telefone, e se não quiser atender, não atenda. Verdade seja dita, eu não sou tão madura assim, não sou a bonequinha perfeitinha, eu não estou sempre de bom humor, eu nem sempre gosto de ouvir um "eu te amo". Eu falo sem pensar nas consquências, eu penso enquanto falo, e nem sempre eu tenho noção do impacto que minhas palavras soltas podem causar.
Então não perca seu tempo comigo, não me ligue pedindo pra tentar recomeçar, eu não sou uma qualquer que você encontrou na noite. Eu tenho princípios, e como já disse, sou fiél a eles. Eu sempre vou ser pra você a patricinha carente, e pra mim você vai ser lembrança.
Eu realmente nunca imaginei que eu seria capaz de falar tudo o que eu te falei, que eu seria sincera ao ponto de falar na real que de certa forma eu te usei pra me sentir melhor, puro egoísmo, pura hipocresia, alguém que falou de amor a vida inteira e de repente se deparar com isso. Tentei me convencer que eu te amava, que nós seriamos felizes mas era tudo briga, sempre pelo mesmo motivo, e no outro dia ligações matinais: "Bom dia minha linda, é só pra te lembrar o quanto eu te amo". Wu não preciso disso, mas talvez eu precise do teu abraço apertado, talvez eu precise das tuas gargalhadas ao telefone, do teu colo, das tuas broncas.
Eu quase acreditei que estava me curando do meu mal quando você me apareceu, eu já me sentia tão forte, não inacreditavelmente confiante ao ponto de estar pronta pra acreditar que algo realmente bom poderia acontecer outra vez, e aconteceu. Sorrisos foram abertos no meu rosto graças a você que esteve por perto nos momentos que eu precisei e agora talvez eu seja a pessoa mais ingrata do mundo. Que fique claro que eu não estou te pedindo desculpas, eu não vou me desculpar por um erro que não foi completamente meu eu e já estou sendo castigada, se é que isso te faz melhor, castigada com a solidão.
Eu não estou procurando um namorado, já disse. Eu estou bem com a minha própria companhia mas eu sinto falta de uma palavra de afeto. Sinto falta de passar horas no telefone falando besteira com alguém rindo absurdamente da mesma história sinto falta de achar que estou em crise de abstinência de alguém. Sim, eu sou carente, eu preciso de mensagens de madrugada, de ligações de manhã cedo. Mas nada que um amigo não possa fazer por mim, ou seria pedir demais ? Talvez né ? Não importa.
Você deve me odiar agora, mas no fundo, nós sabemos que naquela madrugada que você me ligou preocupado em saber da minha boca se eu realmente estava namorando, você queria que eu de uma vez por todas que de uma vez por todas o "nós" que poderia existir acabou.  E agora somos dois, um eu e um você a kms de distância separados, cada um com sua vida, com sua história,com seus problemas e defeitos. Cada um com sua dúvida, com o mesmo ponto de interrogação.
8 de mai de 2011

Lembranças

Depois de tanto tempo, eu criei coragem e voltei lá.
Voltei aquele lugar que me trazia uma montanha russa de emoções. O tal cenário que marcou tantos capítulos da minha históira.
O mato estava alto, cobria as paredes.Não era pra menos, aquele lugar parecia intocado.
Eu realmente ainda não sei o que era pior naquele momento, o medo, o arrependimento, a angústia, a saudade. Eu me sentia ao mesmo tempo que leve, podia me sentir carregando um peso enorme nas costas. Aquela velha sensação de quando se tem histórias mal resolvidas.
Os vidros da janela ao lado da porta de entrada, ainda quebrados, faziam com que os raios de sol chegassem ao velho piano da sala de estar. Eu podia ver.
Ao abrir a porta, pude sentir novamente o cheiro do bolo quentinho da vovó saindo do forno, e, ao mesmo tempo, o cheiro do orvalho da manhã.
A maior parte das coisas ainda estavam exatamente em seu devido lugar, exceto as velhas cortinas azuis, que davam cor as paredes brancas da casa.
Vaguei pelo palco da minha história. Eu me sentia tão sozinha, tão vunerável, tão frágil quanto aquelas janelas de vidro, tão só quanto aquele velho piano. Eu sentia falta das cortinas, do sofá de couro, das flores nas jardineiras, dos sorrisos que haviam sido estampados em fotos de algum tempo perdido. Fui até o fim do corredor. Ao entrar no meu antigo quarto, me surpreendi ao ver que a cadeira de balanço ainda estava no mesmo lugar de sempre, me sentei. Ouvi aquele barulho que antes tanto me irritava, mas agora tanto me confortava. Percebi que a caixinha verde continuava em cima da cômoda, abri sem pensar. Aquelas fotos já não estavam mais lá, tão pouco aquele pingente que você me deu em um dos meus aniversários.
Abri as janelas, deixei que a brisa do campo entrasse naquele lugar. Respirei fundo aquele ar puro, e senti vida entrando pelos meus pulmões. Percebi que depois de tanto tempo, as memórias que eu pensei ter esquecido, ainda estavam frescas em minha mente.
Foi quando ouvi a porta dos fundos se abrir vagarosamente. Passos lentos cruzavam o corredor, confesso que fiquei bastante assustada, pensei que estava sozinha.
Pensei em pular a janela e sair correndo, mas meus passos são curtos, além do mais, o tamanho do gramado ia dificultar as coisas. Resolvi então permanescer onde estava. Na verdade, me escondi entre a cômoda e a parede e me esforcei para não fazer barulho algum.
Os passos se aproximavam cada vez mais daquele quarto. Era um homem. Passou direto a caminho a janela, senti um forte arrepio na espinha. Aquele perfume me era familiar, aquele andar... Lembrei dele. Do cheiro dele, do andar.. Foi quando o homem se virou. Aqueles olhos não podiam me ser tão familiares. Ele se abaixou, olhou em meus olhos, e as lágrimas começaram a rolar pelo meu rosto.
Ele disse:
- Você? Joana?
Percebi que era ele mesmo. Lucas, aquele com o qual eu sonhei todas as noites, com quem eu fiz planos. Eu realmente não sabia o que dizer, fazer, meu coração estava em rítmo acelerado. Tudo o que saiu dos meus lábios foram 6 palavras:
-Eu prometi, eu disse que voltaria.
 E ele respondeu:
- Você não sabe o quanto eu esperei por isso.
3 de abr de 2011

-- Concha

Eu só queria saber por que afinal é tão dificil. Tão dificil ser uma pessoa normal.
Acho que a parte de mim que me ama muito quer que eu me proteja do mundo. Ela faz com que eu tenha MEDO. Medo de tudo. Medo até mesmo de ser feliz. Medo de me amar, me entregar pra alguém, medo de ser amiga de alguém, medo de mudar minha vida de qualquer forma que seja. "O medo anda impedindo as pessoas de serem felizes." Seria a frase perfeita pra mim.
Eu tenho que parar. Parar de acreditar em destino, em amor, em tudo o que eu desconheço. Mas é inevitável. Quando eu tento, eu entro em estado de choque, eu desisto, eu tenho vontade de sair correndo e voltar pra a minha concha que me protege. Um exemplo claro disso foi ontem. Eu tenho medo de que pessoas novas na minha vida acabem se tornando especiais de uma forma que se um dia elas vierem a me deixar eu sofra. Eu tenho medo de entrar em qualquer relacionamento, porque eu sei que no futuro vai ser inevitável o sofrimento. Eu temo precisar de mais de alguém, de forma que essa pessoa se torne parte de mim. Mas é inevitável, é a vida não é 
Quebrar a cara faz parte, aprender faz parte, chorar faz parte, ser frágil faz parte, ser forte faz parte, amar alguém é importante, ser feliz é sempre bom, ter atitude, querer  mudar, ter coragem é a peça fundamental e a que me falta. 
27 de mar de 2011

Querido amigo,

Semanas se passaram e tudo o que restou de você ainda está no mesmo lugar. Aquele ursinho com um laço roxo no pescoço que você me deu no natal, o cheiro do teu perfume empreguinado nas cartas que você me mandou pelo correio. Ainda estão no mesmo lugar de sempre. Inclusive a saudade e o vício que você me fez criar : acordar  em plena madrugada a procura das tuas mensagens no celular.
Eu já parei com isso. Deixo o celular desligado, assim mesmo que receba mensagens, eu não vou ter o pensamento inconsciente de ouví-lo tocar. Eu não espero mais suas ligações nos sábados à noite. Eu não espero mais suas ligações pela manhã só pra me desejar um bom dia.
Desde que você se foi, eu descobri que eu não precisava tanto assim de você.Egoísmo, eu reconheço. Eu não procuro mais seu rosto desesperadamente em cada esquina, ou fico parada pensando em como seria se eu cruzasse com você na rua. Eu não espero de você uma palacra se quer.
A resposta pra o que você por tantas vezes me perguntou, seria a que talvez mais lhe doesse ouvir. Eu não  deixo você fazer parte dos meus planos, porque você não faz parte dos meus. Eu não quero ser seu anestésico, se você causava grande parte das minhas dores, saudade dói, machuca. No entanto, eu queria te ter por perto, já que você, por tantas vezes me ajudou a suportar algumas dores, já que você por tantas vezes ouviu minhas crises mais absurdas. Mas já estava na hora de crescer. De aprender a me virar sozinha, de parar com a mentalidade de precisar de alguém. Me sinto orgulhosa de mim mesma. Estou crescendo aos poucos, estou sorrindo como sorria quando não enxergava problemas em nada eu parei pra observar a minha vida e vi que na verdade, eu não tenho problema nenhum. Que os "problemas" que eu tenho são tão pequenos, tão poucos que a maioria sempre vence, os motivos para sorrir sempre são maiores.
Parei de tentar encontrar algum motivo pra sofrer, pra parar de ser a vítima. E já estou ficando boa nessa arte. Eu cresci, graças a você e suas palavras àsperas. "O mundo jamais vai parar pra você se recompor" foi o que você disse. O que eu já estou acostumada a ouvir por tantas vezes mas que nunca tinha posto em prática. Eu já me levantei sozinha, as feridas já sararam. Eu estou melhor do que eu esperava. (: