23 de jun de 2011

A minha maneira

E eis a minha versão da história.
Eu nem sei exatamente por onde começar, ou o que afinal eu quero dizer. 
Sinceramente, querido amigo, eu sabia que aquilo não ia durar muito. Desde o início a minha capa protetora me falava pra parar de acreditar naquilo tudo. Era muito perfeito, muito estilo conto de fadas pra ser  verdade.
A verdade é que eu fiz uma besteira enorme deixando você se aproximar de mim. Não que tenha sido ruim, mas porque eu sabia que era tudo uma perda de tempo. Admita, eu sou bem mais que você merece, bem mais do que você aguentaria e não me venha com desculpas sobre mudanças ou sobre distância. Isso é tudo balela, quem quer consegue. E além do mais, 200 kms nem é tão longe assim. Desde o início você devia ter se convencido de que talvez não fosse tão bom negócio perder seu tempo comigo, sim, porque eu sou fiél a mim mesma, aos meus sentimentos. Eu vou te ligar quando precisa de você, quando quiser ouvir tua voz do outro lado do telefone, e se não quiser atender, não atenda. Verdade seja dita, eu não sou tão madura assim, não sou a bonequinha perfeitinha, eu não estou sempre de bom humor, eu nem sempre gosto de ouvir um "eu te amo". Eu falo sem pensar nas consquências, eu penso enquanto falo, e nem sempre eu tenho noção do impacto que minhas palavras soltas podem causar.
Então não perca seu tempo comigo, não me ligue pedindo pra tentar recomeçar, eu não sou uma qualquer que você encontrou na noite. Eu tenho princípios, e como já disse, sou fiél a eles. Eu sempre vou ser pra você a patricinha carente, e pra mim você vai ser lembrança.
Eu realmente nunca imaginei que eu seria capaz de falar tudo o que eu te falei, que eu seria sincera ao ponto de falar na real que de certa forma eu te usei pra me sentir melhor, puro egoísmo, pura hipocresia, alguém que falou de amor a vida inteira e de repente se deparar com isso. Tentei me convencer que eu te amava, que nós seriamos felizes mas era tudo briga, sempre pelo mesmo motivo, e no outro dia ligações matinais: "Bom dia minha linda, é só pra te lembrar o quanto eu te amo". Wu não preciso disso, mas talvez eu precise do teu abraço apertado, talvez eu precise das tuas gargalhadas ao telefone, do teu colo, das tuas broncas.
Eu quase acreditei que estava me curando do meu mal quando você me apareceu, eu já me sentia tão forte, não inacreditavelmente confiante ao ponto de estar pronta pra acreditar que algo realmente bom poderia acontecer outra vez, e aconteceu. Sorrisos foram abertos no meu rosto graças a você que esteve por perto nos momentos que eu precisei e agora talvez eu seja a pessoa mais ingrata do mundo. Que fique claro que eu não estou te pedindo desculpas, eu não vou me desculpar por um erro que não foi completamente meu eu e já estou sendo castigada, se é que isso te faz melhor, castigada com a solidão.
Eu não estou procurando um namorado, já disse. Eu estou bem com a minha própria companhia mas eu sinto falta de uma palavra de afeto. Sinto falta de passar horas no telefone falando besteira com alguém rindo absurdamente da mesma história sinto falta de achar que estou em crise de abstinência de alguém. Sim, eu sou carente, eu preciso de mensagens de madrugada, de ligações de manhã cedo. Mas nada que um amigo não possa fazer por mim, ou seria pedir demais ? Talvez né ? Não importa.
Você deve me odiar agora, mas no fundo, nós sabemos que naquela madrugada que você me ligou preocupado em saber da minha boca se eu realmente estava namorando, você queria que eu de uma vez por todas que de uma vez por todas o "nós" que poderia existir acabou.  E agora somos dois, um eu e um você a kms de distância separados, cada um com sua vida, com sua história,com seus problemas e defeitos. Cada um com sua dúvida, com o mesmo ponto de interrogação.

6 comentários:

Marie Raya disse...

Anninha, tava com saudades de vir aqui, caramba! Que texto incrível. O começo é exatamente o meu momento atual. Pontos de interrogações são o que mais têm na minha cabeça, haha. Lindo texto, beijão :*

Anônimo disse...

Ah, eu amei esse post! De verdade, até porque é meio difícil eu não gostar de seus textos, Anninha! *-*
Realmente, você estava precisando explusar esses sentimentos/pensamentos de você .. É sempre bom fazer isso, e nada melhor do que escrever essas coisas.
Beeijo, gata sensual.
Amanda #linda que você ama.

Ana Lu disse...

Ei Anninha! Bem vinda de volta. Espero que venha com posts mais felizes, porque você merece. O amor é complicado, a gente se debate muito com ele antes de achar aquele que realmente merece. Eu estou no mesmo barco que você, hehe.
Beijos!

Daniela Filipini disse...

Me identifiquei do início ao fim!
Me sinto mal por, às vezes, saber que de certa forma acabo usando as pessoas para me sentir bem, pois preciso de atenção e carinho. E eu preciso tanto..
Mas gostei, gostei muito.

Ana Seerig disse...

Belo texto.

Cedo ou tarde, todos passamos por questões semelhantes e queremos desabafar tão bem quanto tu fez, mas nem todos conseguem...

H. disse...

Seus textos são incriveis !!
Não fique mal !! Situações como essa todos temos que passar alguma vez na vida, sempre vai ter um mpmento que iremos ser egoistas.
Espero que você e seu amigo se resolvam !!

beijos;**

Postar um comentário